Rascunhos da Alma, dedicado à literatura poética. 
Reflexões Filosóficas
Reflexões Filosóficas

Apresenta reflexões de alcance mais geral a partir de um fato particular. É um texto analítico em seus aspectos cognitivos e sensoriais, com foco no convívio social sobre o cotidiano humano abordado de forma dissertativa, com argumentos, ora sentimentalistas, ora racionais, a partir da visão subjetiva da autora, a qual utiliza como linguagem, metáforas, comparações, analogias, etc

 

 

 A Academia me espera, pois sou acadêmica. Os anos passam e lá se vão, três anos e meio entre diversas atividades de um Curso Superior. As férias foram pequenas, mas suficientes para inúmeras reflexões sobre a vida universitária, os prós, os contras, o que se perde, o que se ganha, lutas por mudanças, por direitos.

A relação docente/discente é essencial para um bom aprendizado, pois dividem o mesmo universo de interesses, ensinar/aprender. A conjugação do verbo ensinar é homogênea, mas a conjugação do verbo aprender é heterogênea. O aproveitamento medíocre de um acadêmico negligente frustra um docente dedicado, bem como, a ineficiência de um docente frustra o acadêmico que busca conhecimentos.

E assim, a trajetória se faz em busca da sabedoria, da avaliação final de nossas qualidades e competências.

 

Muitas vezes a correria do dia a dia é grande, os pensamentos estão voltados para a vida pessoal e não administramos o tempo da pausa para observar pequenos detalhes cotidianos, como os ruídos produzidos na natureza por habitantes de seus reinos. Nem todas as pessoas conhecem a diversidade dos sons de animais, o colorido e aroma das flores, o assobio do vento, o murmúrio das águas, bem como, é raro os que agradecem à Deus a vida e fazem uma prece. A falta de administração do tempo não nos deixa perceber detalhes relevantes que contribuem para um dia mais alegre e harmonioso. O tempo da pausa é o tempo do silêncio da mente e da reflexão. Este tempo é individual, mas por certo contribuirá com a vida sob todos os aspectos. A energia da vida é feita de simplicidade, nós humanos é que programamos nossos desafetos e dissabores. Que tua semana seja feita de inúmeras pausas, para amar, orar, meditar, sonhar e ser plenamente feliz em todos seus segundos.

 

Não tenho o hábito de dar esmolas, prefiro ofertar uma porção de alimentos. Entendo que dar esmolas é autenticar a incapacidade de produção, além de que, o hábito faz o monge, ou seja, a continuidade da esmola faz com que o pedinte se acostume a este mecanismo de chantagem emocional.  Nesta cidade os pedintes se avolumam nas redes bancárias, ponto de ônibus, portas de lojas comerciais da cidade.

Minha casa era visitada por um pedinte uma ou duas vezes por mês, um jovem educado, catador de lixo, me chamava de tia e ganhava um pacote de bolacha para o café. A última vez que aqui esteve, faz muito tempo e estava aguardando um trabalho fora da cidade. Tenho certeza que conseguiu, caso contrário escutaria nas grades de meu jardim: Tiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

 

Isso é Brasil, discussões intermináveis, alarido estressante e viva a discórdia, a maledicência, os desajustes emocionais. As mesmas promessas ilusórias como se ocupar cargos fosse um mecanismo de milagres. Ideologias foram à óbito e as cinzas sopradas em outro planeta, resta aos homens de caráter dois caminhos, o primeiro levantar de seu berço esplêndido e lutar pela liberdade do Brasil e o segundo aplaudir as estrelas da política, corrupção, criminalidade e impunidade.

Existem culpados? Quem? O político manipulador ou o povo que prefere ser manipulado e tirar suas lascas de vantagens entre o leque de vales ofertados? A maioria sempre vence, mesmo que esteja equivocada em suas decisões, mais uma vez incrédulos observam a vitória não da democracia e sim da anarquia.

 

Muitas vezes a correria do dia a dia é grande, os pensamentos estão voltados para a vida pessoal e não administramos o” tempo da pausa” para observar pequenos detalhes cotidianos. Nem todas as pessoas conhecem a diversidade dos sons da natureza, o colorido e aroma das flores, o assobio do vento, o murmúrio das águas, bem como, é raro os que agradecem à Deus a vida e fazem uma prece. A falta de administração do tempo não nos deixa perceber detalhes relevantes que contribuem para um dia mais alegre e harmonioso. O tempo da pausa é o tempo do silêncio da mente e da reflexão. Este tempo é individual, mas por certo contribuirá com a vida sob todos os aspectos. A energia da vida é feita de simplicidade, nós humanos é que programamos nossos desafetos e dissabores.

 

Ontem à noite em torno de 20h iniciou um bombardeio de limões no telhado de minha casa e serenou quase 22h, pois acho que destruíram o pé de limoeiro e ficaram sem munição.

O pé de limoeiro é do vizinho que fica à esquerda e está construindo, plantado nos fundos perto muro que divide as residências. Raciocinei rapidamente e chamei a Polícia Militar que se espantou com o tipo de ocorrência, mas minha preocupação é que vândalos estivessem ocupando a obra e pudessem ser assaltantes.

Foi uma zorra, o meu cachorro e cachorros dos vizinhos latiam furiosos e, os limões ao rolar pelas telhas e se estatelarem no chão pareciam bomba caseira. Após bate papo com vizinhos à direita concluímos que, pela algazarra eram crianças.

Tentamos conversar indo na entrada oficial da casa, na Rua João Pessoa. A garagem tinha luz. Tocamos a campainha e batemos no portão, não abriram, bem como a algazarra silenciou.

Deitei com a firme ideia de conversar com o vizinho hoje quando acordasse, mas conclui que era perda de tempo, pois se não observaram o que os filhos fizeram devem estar ocupados com prioridades mais importantes.

Graças Deus tenho uma filha que foi bem-educada e nunca cometeu uma traquinagem deste nível, danificar um patrimônio particular ou público. Ficaram como registro do bombardeio, esta foto e a ocorrência na polícia.

Espero não ficar com goteiras na casa e vou aproveitar os limões, pois tem utilidade para saúde, beleza e lazer: quem sabe uma gostosa caipirinha em um domingo de chuva?

 

Outono é a minha estação, onde cores se mesclam, tons sobre tons propiciam fascínio. É um ciclo de ajustes, quando as árvores se desnudam sem pudor e permitem, que suas folhas secas se escondam nas dobras do tempo, entre brisas e ventos. Tempo do orvalho que umedece a relva queimada pelo verão, aromas que exalam de frutos saborosos que nutrem a vida. É um tempo de encanto e magia, um convite ao mergulho na solidão e nostalgia, pois sentimentos arrefecem, a inconstância se faz presente entre felicidade, tristeza, alegria, sorrisos, lágrimas, certeza, incertezas, verdade, mentira e a viagem, no labirinto da memória, nos leva à rota de lembranças e saudade de inefáveis momentos.

 

As crendices no decorrer do tempo permanecem iguais e o homem é fascinado por mistérios. Hoje, sexta-feira 13 é uma data muito temida, principalmente se cair no mês de agosto. São inúmeras as histórias entre a cultura de povos sobre esta data, a maioria está ligada à fatos políticos mundiais, bem como, religiosos, desde os povos bárbaros que invadiram a Europa no período medieval, onde divindades eram cultuadas para o bem e o mal, bruxas e demônios eram temidos.

Não é uma data que altera os fatos e sim, a energia do pensamento, pois atraímos o que desejamos ou tememos, ou seja, somos condutores de nossa sorte ou azar. Seja feliz em qualquer dia, independente da data numérica.

 

Esta é uma palavra difícil de interpretar, pois não condiz com o que a criança aprende em sua formação na família e nem no que lhe é ensinado na Escola.

Aprendemos que a cidadania é dividida entre os deveres que o Cidadão tem com a sociedade nos aspectos, familiar, social e político e, os direitos fundamentais, não outorgados, mas reconhecidos, como a vida, a liberdade, a igualdade, a propriedade, segurança, etc.

Os direitos são de exercício exclusivo do indivíduo, um domínio no qual o Estado não pode interferir, mas não é o que ocorre:

. A vida - não vale um tostão, pois os poderes públicos não oferecem segurança ao seu cidadão;

. A igualdade - foi substituída pela discriminação com etnias, credos e opção sexual;

. O direito de propriedade - constitucionalmente consagrado, garante que ninguém poderá ser privado de seus bens, pois somente a necessidade ou utilidade pública ou o interesse social permitirão a desapropriação, desta forma abriu espaço para que cada um interprete a lei como desejar, pois, o direito não é incondicional e absoluto;

. A liberdade - é o exercício da cidadania plena, ou seja, “o direito de ter direito”. Faça uma análise de sua vida e se questione sobre sua liberdade.

 

O Governo Federal e seus aliados usam todos os meios de comunicação para propagar seus feitos nocivos e, desta forma, angariar votos nas eleições para seus representantes. O ápice desta nocividade são “Esmolas Governamentais”, como a Bolsa Família.

Enquanto o governo distribuir esmolas não ocorrerá o desenvolvimento do País, pois seu povo será conduzido à estagnação, dependência e acomodação.

Um bom governo está voltado à cidadania e tem como dever prover educação, trabalho e salário digno. A extrema pobreza deve ser erradicada através de soluções governamentais e uma delas é ofertar trabalho ao seu cidadão para que o mesmo não se torne um mendigo, destituído de identidade própria.

As sementes nocivas semeadas por governantes tomaram uma proporção preocupante entre pensamentos, palavras e obras, desqualificando a inteligência mental, tornando o homem inculto e marionete nas mãos de políticos corruptos.

 

Em primeiro lugar, por longos anos fui assolada por uma doença que considerava incurável: militante do PT. Minha cura ocorreu no primeiro mês do governo de um Prefeito do PT, em nossa Prefeitura. Estando livre das nefastas amarras partidárias decidi não optar por partidos, mas por candidatos dignos, desta forma, minha consciência está tranquila em relação ao Governo Petista Municipal, Estadual e Federal.

O panorama de nosso País me entristece, pois entendo que, não existem partidos ou políticos, capazes de mudar o rumo deste carro desgovernado chamado Brasil e os que estão ilesos são omissos, para conservar cargos e salários. Reconheço, a legitimidade de nossa Presidente, pois a maioria dos eleitores a conduziu ao cargo, consciente ou iludido.

O povo tem que reconhecer sua parcela de culpa por ter conduzido ao poder está camarilha de corruptos, não só do PT, como de outros partidos, oportunizando a corrupção e impunidade.

 

 

Muitos dizem que liberdade de expressão é utopia, outros calam e consentem e, uns tantos lutam, ferozmente por seu direito.  A liberdade de expressão existe e ao fazer uso da palavra oral ou escrita o indivíduo exerce o direito de manifestar o pensamento, a opinião em uma atividade intelectual, artística ou científica, através de meios de comunicação.

Em um passado não tão distante, no modelo de   família patriarcal, o patriarca cerceava a liberdade de expressão, pois todos os membros desta família estavam sob seu jugo. A atualidade nos mostra outro status social, a luta por direitos, mesmo que muitas vezes, a irracionalidade seja o fator que norteia atitudes.

Liberdade de expressão deve ser educada no seio da família e estruturada no respeito mútuo, onde todos manifestam seu pensamento em prol da igualdade e liberdade. Isto é democracia e vai gerar a dignidade humana.

Nossa sociedade oprimida usa esta estratégia de forma desordenada, esquece que liberdade de expressão é um direito, desta forma, seu limite esbarra no direito de seu semelhante. Esta é a fórmula secreta de se construir os pilares de uma sociedade democrática, bem como, faz parte desta liberdade, a responsabilidade de arcar com a consequência dos atos. Aí vem o impasse, muitos fazem a opção de se manter no anonimato e incitar grupos o que gera, o caos social, a desagregação das massas em um objetivo único – ORDEM E PROGRESSO.

 

 

Brasileiros acordam e concluem que no berço esplêndido descansa a corrupção e a impunidade, que suas matas não são tão verdejantes, que em seu seio a liberdade foi acorrentada por ferrenhos inimigos brasileiros, que a esperança de dias melhores foi ao óbito e que a exterminação de seus filhos ocorre diariamente. Brasil, um País onde a desigualdade social prolifera, onde seu cidadão da classe dos miseráveis, ao invés de buscar emprego, se contenta com um governo que o compra com bolsas esmolas e retribui conduzindo aos cargos públicos, pessoas inescrupulosas.

Povo Brasileiro esteja cônscio que sua liberdade de expressão faz parte do dia-a-dia e, em muitos Países é reconhecida através das Leis do Estado. Esta liberdade deve ser bem conduzida e, é aceita desde que não ultrapasse os limites, ou seja, “o limite de minha liberdade de expressão esbarra onde começa a de meu semelhante”.

O resgate desta liberdade garante a qualquer indivíduo a possibilidade de se manifestar, de buscar, de receber ideias e informações, independente da intervenção de terceiros. Pode ser expressa de forma oral, escrita ou por qualquer meio de comunicação. Esta liberdade bem conduzida se reflete de forma positiva, mas muitos ainda temem a repressão e a crítica destrutiva, desta forma, permanecem na inércia.

O cidadão digno é responsável por seu País. Chegou o momento de lutar por seus direitos, mas reconhecendo seus deveres de ordem, para o progresso. Que o brilho das estrelas de nossa Bandeira ilumine os atos do povo heroico e que seu brado de basta retumbe entre os quadrantes desta terra tão amada: "Liberdade, Igualde, Fraternidade".

 

 

Boa Noite aos presentes

- Professora Maria Letícia Ferreira, representante do Magnífico Reitor da Universidade Federal de Pelotas.

- Prof. Sidney Gonçalves Vieira, digníssimo Diretor do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas.

- Professora Silvana Bojanoski, digníssima Coordenadora do Curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas.

- Professora Luiza Fabiana Carvalho, Paraninfa da Turma.

- Professoras Homenageadas: Karen Caldas, Isabel Torino, Veronica dos Santos.

- Funcionária homenageada:  Restauradora: Keli Cristina Scolari.

- Familiares e amigos dos acadêmicos formandos.

Nossa turma optou por uma cerimônia simples e a consequência da escolha foi não ter nesta noite, a presença de todas as pessoas que gostaríamos como, familiares e amigos, bem como, colegas da academia, os formados, os que cursam graduação, mestrado e doutorado. Mas temos certeza que compartilham de nossa alegria.

Agradecimentos especiais:

À nossa Patroness, Prof.ª Maria Letícia, por seu empenho para a criação do Curso de Bacharelado em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis, o que nos possibilita, nesta data, receber o título de Bacharel.

À Prof.ª Luiza, nossa Paraninfa, por tudo que representaste para nossa turma no passado, através das disciplinas ministradas.

Às professoras Karen, Isabel e Verônica. A escolha é uma homenagem as docentes que possuem formação correspondente a nossa profissão e evidenciada pela competência.

Ao seguimento docente atuante no Curso pelo incentivo. Aos que não fazem mais parte do quadro de docentes, mas ofertaram conteúdos para nosso aprimoramento. Professora Ângela Maculosa, teus alunos não se esquecerão de ter como livro de cabeceira o Código de Ética do Conservador e Restaurador.

A Restauradora Keli Cristina.

Nossa escolha foi por unanimidade, por teu carinho e didática em transmitir valiosos ensinamentos nas aulas práticas de restauração, nos laboratórios de Pintura e Madeira. Tenhas certeza que contribuíste para nossa bagagem profissional. Keli ficou faltando à cópia de teu livro de receitas, para sermos excelentes profissionais como tu.

Aos nossos familiares nosso carinho especial, pois sem a aquiescência de nos dividirem com os saberes, aqui não estaríamos.  Gratidão por permitir o tempo de perseguir sonhos, por todo apoio quando retornávamos ao convívio familiar. Pais, vocês nos ensinaram a abrir a porta, mas foi à academia que nos ensinou a atravessar a rua e descobrir nosso potencial. Hoje estamos aqui vitoriosos: pais, filhos, esposos e namoradas. Temos a certeza que apoiarão as novas escolhas, pois vocês representam o porto seguro, a âncora de nossa existência.

Aos amigos presentes agradecemos o respeito e carinho no cotidiano.

Aos colegas, minhas amadas e meus amados, pois foi sempre assim que os tratei. Em primeiro lugar agradeço a confiança depositada para que o discurso possa representar uma retrospectiva de nossa vida acadêmica no decurso destes 7 semestres. Não é uma missão fácil falar por um grupo de pessoas tão diferentes entre si, mas que no decorrer dos anos de academia direcionaram-se à objetivos em comum, busca de conhecimentos e crescimento pessoal.

Quando ingressamos no Curso a expectativa de aprendizado norteava nosso cotidiano. Com o passar do tempo, o questionamento de um mercado de trabalho tornou-se assunto de interesse. Tivemos conhecimento através dos mestres, órgãos governamentais e mídia notícias sobre assuntos relacionados à nossa profissão as quais, nos preocuparam, na medida em que foram observadas intervenções errôneas. Desta forma, em cada disciplina, buscamos absorver a essência do conteúdo ministrado.

O tempo na academia nos reservou inúmeras alegrias entre brincadeiras, mas também desafios, adversidades que abalaram a estrutura emocional de alguns acadêmicos. O que fizemos? Usamos da sabedoria, pois concluímos que não foram as pessoas que nos decepcionaram e sim o que projetamos em seres iguais a nós, passíveis de erros e imperfeições. Aprendemos que não é possível depositar sonhos nas mãos de semelhantes, pois em cada sonho projetamos uma partícula de nosso alicerce individual.

Em nosso Curso, através da teoria e prática, nos conscientizamos que o profissional não poderá causar danos irreversíveis ao objeto. Como futuros profissionais nosso dever é zelar pela ética, ou seja, não cometer os erros observados e criticados, pois semear atitudes nocivas ocasiona um dano irreversível ao caráter.

O ciclo na vida tem início, meio e fim. Hoje, aqui estamos para celebrar formalmente o final de uma etapa fundamental de nossas vidas. Sentiremos falta dos atributos individuais, a ponderação da Dulce nas resoluções, o jeito carinhoso da Cacilda, o comprometimento acadêmico da Cristiane, a espontaneidade da Eduarda, o jeito extrovertido da Priscila, a responsabilidade da Rosangela, a personalidade forte da Suzana, o senso de humor do Eduardo e a solidariedade do Jairo. Tenho certeza que amiúde estaremos em contato, pois formamos um grupo de pessoas especiais e unidas por valores afetivos.

Os acadêmicos da Turma 2012 dividem com os presentes os méritos de nossa conquista, pois aqui ninguém está por acaso e sim, por elos afetivos, familiar e social.

Um brinde a Deus e seu presente individual, a vida.

Gratidão.

 

O período da Quaresma deve ser usado para recolhimento rumo ao autoconhecimento e libertar o Ego de falsas imagens, as quais estão associadas ao Eu e ao corpo físico. O homem deve banir o nocivo e concluir que um ego caótico mantém a adrenalina elevada, a posição de ataque, pois a postura da defesa é egoísta. É tempo de conscientização, pois o homem não pode se deixar levar por pensamentos perniciosos, atos desalmados e obras infrutíferas.

É um período para fortalecer a identidade espiritual e abrir as portas interiores, expelir os traumas estagnados e absorver as energias cósmicas para a transmutação.

Acima de tudo vivenciar a conexão com o divino através da oração e da caridade que enobrece. Usar os olhos da Alma para ver que ao nosso redor está o semelhante, com as mesmas dores, esperanças e desesperanças, se humanizar e dividir alegria, amor e paz.

 

Com novos fatos de descalabro se acumulando creio que, os políticos têm uma meta definida: "Testar a força do Povo".  Esta atitude fará com que o Brasil pare e incitará uma guerra civil que resultará na intervenção militar. Quem sabe, não é isso que a ingovernabilidade nos três poderes deseja, pois desta forma, os políticos corruptos sairiam do poder como vítimas.

Atitude bonita do cidadão brasileiro. Não foi convocado, nada foi combinado e eles surpreenderam políticos e mídia. Não importa o número de pessoas, o que emociona é ver a resposta do cidadão de caráter ilibado na rua, quando a Presidente, em um ato inconsequente nomeou, um indivíduo chamado Lula para o cargo de Ministro. Em outros artigos cito que o Governo Federal é um carro desgovernado e a prova está aí, pois atropela a Constituição, a Justiça, os mais altos Tribunais do País e suas autoridades e o povo.

Li uma postagem à qual diz que um Ministro tem que ter um Curso Superior, mas o indivíduo Lula tem Curso Superior de Pós-doutorado na Faculdade da Vida, com um extenso currículo de atividades em: Ensino (Línguas - idioma Coprolalia), Pesquisa (dividida em fontes de dados: CAMPO, lavagem de dinheiro, LABORATORIAL, cofre no banco com objetos surrupiados) e Extensão, cursos nas áreas de corrupção e larapia.  A Bibliografia usada é acervo de mentores ditadores. NÃO é UM GÊNIO O INDIVÍDUO?

 

Quando em um País ocorre um golpe político, quando o povo se insurge contra a anarquia, quando perde a confiança nas Instituições que o representam, quando entra em confronto armado com representantes da lei e ordem, quando depredam o patrimônio público é um sinal de alerta e gravíssimo, “a guerra civil” se avizinha, pois, a sociedade perdeu o rumo, a razão e o direito de reivindicar. Quem teria poderes para intervir, tomar posse e conduzir este carro desgovernado para manter a democracia? Quem sabe o Presidente do Supremo Tribunal Federal, por ser a mais alta instância do poder judiciário brasileiro e que tem como função institucional fundamental servir de guardião da Constituição Federal de 1988, ou, retornar ao regime anterior, “militar”. É hora de lucidez dos membros da Câmara e Senado que ainda possuem caráter e tomar medidas, que orientem o povo perdido e sem esperança, no caminho mais correto a seguir. Caso contrário nos tornaremos um País de miseráveis, manipulados pela corrupção descarada e endêmica e escravos de uma quadrilha de corruptos intocáveis.

 

Páscoa é uma palavra hebraica que significa "libertação" e seu ritual é passado através das gerações. Representa a busca pelo conhecimento, a renovação dos nossos propósitos mais nobres na evolução espiritual, os princípios éticos e morais. Páscoa é tempo de romper com o alimento da infelicidade, egoísmo, orgulho, vaidade, preconceito, mentira, discussão, violência, exploração, desequilíbrio, frustração, atributos por nós desenvolvidos.  Páscoa é a reforma íntima, quando o estagnado se desfaz e o renascer se faz presente, a liberdade na existência para vivenciar a prática da caridade e amor, instrumentos que levam à paz universal.

Seja qual for sua fé use este tempo para renovar sua essência e permitir que, germine sementes plantadas no espírito ao reencarnar, não só em tempo de Páscoa, mas a cada instante de sua existência.

 

Com o fim do Absolutismo, entra a Idade Contemporânea (em torno do séc. XVIII até os dias de hoje) e surge, o Estado de Direito e sua principal característica é promover e preservar a cidadania plena, a qual é constituída pelos direitos civis, políticos e sociais. No Estado de Direito os poderes públicos (executivo, legislativo e judiciário), bem como o cidadão, independentemente de sua classe social são regidos, por uma Constituição onde: “Todo tem direitos e deveres iguais perante as Leis".

A democracia é um sistema político que se baseia no livre exercício da cidadania. Para ser um cidadão participante é necessário buscar informações, nos órgãos públicos e instituições da sociedade civil, o conhecimento sobre as Leis que sustentam os direitos e deveres do cidadão.

Um de seus deveres é participar das decisões relacionadas ao bem comum da sociedade e um de seus direitos é reivindicar, através da expressão oral ou escrita.  Em muitos países, quando a tirania não cede ocorrem conflitos, o último dos direitos, uma decisão drástica que deixa sequelas em uma “Nação e seu Povo”.

Cada povo faz sua história, através do Governo que elege, mas pode modificá-la motivado pela falta de lisura governamental. A omissão gera acomodação, a acomodação gera a estagnação, a estagnação gera a frustração e a frustração gera uma casta desprezível, os párias da sociedade.

 

Mais uma estação despede-se do tempo e mais um visitante chega para permanecer entre nós, o Inverno, senhor dos ventos fustigantes, de intensas chuvas e da neve. Uma estação triste e nostálgica, as transformações ocorrem entre tons e sons, animais hibernam, as árvores despidas, entre as névoas das manhãs e as brumas do entardecer simbolizam a natureza morta, águas se cristalizam e homens retraídos pelo frio gelam a alma e sentimentos.

Há quem diga que o inverno é implacável, por certo é para àqueles desabrigados, sem cobertor, sem teto, andarilhos, muitas vezes descalços e com fome que circulam pelas ruas das cidades. Há quem diga que o inverno é uma estação para exercitar sensações entre viagens e gastronomia ou mesmo, para ficar aconchegado entre cobertas no exercício da preguiça.

Sábio foi quem dividiu o tempo entre quatro estações, pois todas tem um significado intrínseco. O que seria do homem se não existisse inverno, um tempo para recolhimento e análise da trajetória, para a conscientização que urge remover entulhos, romper com aspectos estagnados na vida? Este homem por certo, não estaria apto para o renascer na primavera.

 

 

Na atualidade, as conjugações verbais transmitem mensagens que alteram o humor do indivíduo. O Verbo serve o bem e o mal em sua oralidade ou escrita. Os meios de comunicação são habilidosos em informar, descrever e narrar. Informa-se o mínimo ou oculta-se a verdade, fatos irrelevantes se proliferam e relevantes ficam engavetados. Narrações são extremamente hábeis, pois a entonação da voz, ativa ou passiva conduz à reflexão. E assim decorre o cotidiano e o homem, através dos meios de comunicação de sua preferência alimenta, emoções com notícias desgastantes.

Os atentados e suas tragédias fazem parte de um passado recente, onde os verbos “morrer” e destruir” foram conjugados. O teatro da política são notícias do presente, onde o enredo da peça é a corrupção em diversos níveis. Os atores são os politiqueiros escolhidos pelo povo e a plateia, representada por uma sociedade manipulada pelo sistema conjuga, os verbos “renunciar” e “roubar”. Qual verbo será conjugado no futuro, no período dos Jogos Olímpicos de Verão, no Brasil?

 

 

Alguns minutos atrás olhando um vasto campo pela janela de meu quarto observei, a cerração que impede uma visão. Fiz breve análise sobre as estações e suas transformações, como afetam a vida, na natureza flora e fauna, no homem que acorda e caminha por ruas e praças, respirando este ar úmido para cumprir suas tarefas cotidianas. Julho, mês de férias, de preguiça, crianças dormindo na cama quente na espera de um café gostoso e um cativante sorriso materno. Idosos sem compromisso despertam tristes, pois vivem na estação da indiferença, assolados pelo tédio, doença da velhice, sem ambição de vencer o tempo e o espaço. A estação ainda nos reserva muitos dias e noites de inverno e o corpo se debate entre as defesas e doenças causadas por intempéries. Existem remédios para quase tudo desde que, as emoções não congelem e afetem a energia vital. Agasalhe a alma com pensamentos positivos, alegrias e lazer e vença o tempo de inverno.

 

Não tem hora, não tem dia, tem o minuto presente, onde a inspiração brota e utiliza a pena e pergaminho para grafar.  São inúmeras obras desde a vanguarda clássica até o modernismo, onde o escritor escreve o que pensa, o que sente e deixa uma semente para reflexão ao seu leitor. O estilo pode ser individual, onde o escritor manipula a linguagem literária, com conteúdo para determinados leitores ou, estilo de época, que falam de um determinado período histórico, escritos por vários autores e direcionado a todos os tipos de leitores.

É no ato de escrever que o indivíduo exerce sua liberdade, com identidade única e intransferível. Alguns se utilizam da escrita como profissão, para obter um rendimento econômico. Outros se apropriam da escrita para registrar sua experiência individuais, em viagens e no convívio do cotidiano. Para outros é apenas um passatempo, uma forma de expressar suas percepções, emoções e sentimentos, um acervo particular e outros tantos, para expressar seu ponto de vista. Algumas obras atravessam fronteiras e outras, se perpetuam através do tempo. 

Ser escritor é a arte de expressar sua intelectualidade através da escrita.

 

Dialogar com a mente é possível desde que, o indivíduo seja seleto em seus pensamentos. No início parece impossível, mas a técnica da meditação nos proporciona a limpeza mental, desta forma, a mente descansa das atividades cotidianas e, em outra dimensão, ocorre um monólogo mental silencioso, para ordenar as atribuições do próximo dia.

Tenho por hábito deitar, ainda desperta, para exercícios respiratórios ordenados. Após fixo minha visão interior em algo de interesse, como o esvoaçar de borboletas. Quando me sinto envolvida por milhares de borboletas concluo que, a mente esvaziou e está apta para o repouso.

Após exercícios é hora de relaxar o físico, extrair do cosmo fluidos benéficos e sorrir para a noite. O resultado é um sono reparador.

 

 

 Eu achar “tempo” para lazer. O cotidiano absorve as horas que deslizam pelo visor do relógio. São ponteiros que sobem e descem, se unem, se separam e assim decorre uma existência, ou seja, capítulos de vida monótonos. Uma vez alguém iluminado me disse: cada ser escreve sua história. Este conselho virou processo de ignição na energia vital e como tenho, vários capítulos para escrever analisei prós e contras e questionei: quem sabe não está na hora de espanar a poeira e mudar o curso da história? Trocar o rotineiro pelo inabitual e viver um presente pleno, pois futuro é apenas uma quimera.

 

 

Chegando da Faculdade, ao dobrar a esquina observei, um grande movimento na quadra onde resido e decidi registrar. Sou moradora da Rua Conde de Porto Alegre há 19 anos e aprendi a conviver com um trajeto tranquilo usado por moradores para locomoção em suas atividades cotidianas, crianças em suas bicicletas, alguns transeuntes nos finais de semana, carros com velocidade moderada durante o dia e na noite, velozes cantando pneus.

Me acostumei com latidos de cães, miados de gatos namorando nos telhados, estridentes gritos dos psitacídeos em reunião nas árvores, trinar de pássaros no balanço dos galhos e ver no pasto, em frente minha casa, cavalos e vacas.

Mas tudo é energia e energia se transforma, em um milésimo de segundo. De forma rápida, alterações ocorreram, com a vinda da UFPel para o Anglo, edificações para instalações das Faculdades, inúmeros acadêmicos em seu vão e vêm diuturno, conversando, brincando e dando risadas, bem como, sons carnavalescos com um curto reinado. Recentemente, mais um investimento, a revitalização do Porto de Pelotas na esquina de minha casa. Em poucos meses, uma grande obra está sendo edificada e logo ali será concluída.

Novos fatos, novas perspectivas e com certeza, a criatividade de novos hábitos.

 

 

O impeachment nesta data representa, o marco de uma tênue esperança para que o cidadão possa ver seu País passado a limpo. Nossas escolhas têm consequências e no decorrer do tempo conviveremos com as mesmas, produtivas ou nocivas.

Quem ganhou? Não foram os brasileiros “para o” e não perderam os brasileiros “contra”.

Quem ganhou foi a Nação, a Constituição mesmo com leis obsoletas; a verdadeira democracia que permite que o povo eleja um político e possa destituí-lo, por desabono de sua conduta; a justiça que ousou descortinar o que estava oculto; a coragem do povo “pró ou contra” que saiu às ruas e lutou por sua ideologia, mas tem consciência que: “ todos são irmãos, sob uma única bandeira, independente da escolha partidária”.

Quem perdeu? Políticos que foram desmascarados e hoje são conhecidos, por dilapidar os cofres públicos em interesses pessoais; a mentira; o sistema com uma doença endêmica, “a corrupção”; a engrenagem civil que oprimia o povo nos aspectos político, social e econômico, com medidas provisórias, inflação falsa e mantendo, nos três poderes, políticos que aceitavam os descalabros governamentais; na especulação financeira internacional.

São inúmeros os fatos a serem citados, mas a perda mais grave está relacionada ao sentimento do eleitor que projetou, no político escolhido, seus sonhos de estabilidade individual e para futuras gerações.

Nos últimos dias, de forma gradativa o brasileiro despertou de seu estado de inércia e a maioria descobre que, a sombra da traição lhe fará companhia por um longo tempo, que de forma consciente ou omissa alimentou, o Ego de indivíduos que, com pensamentos, palavras e atos  governaram entre fileiras da imoralidade, indivíduos que se tornaram especialistas na retorica, para ludibriar o povo de todas as classes sociais, o pobre com as esmolas de bolsas, a média por esmolas mais polpudas e a alta pelo direito de sonegar impostos.

O povo despertou e cansou de andar de carona em um carro desgovernado chamado “governo e seus três poderes (executivo, legislativo e judiciário)”, cansou de ver o patrimônio material de sua Nação, arruinado por vândalos corruptos.

Mais um capítulo em nossa história, uma Nação que se debate entre meias verdades e meias mentiras, para exercer a democracia em sua essência. Este processo não traz alegria ao cidadão de caráter ilibado, pois a alegria seria se hoje, todos os políticos corruptos fossem destituídos de seus cargos. O cidadão curvou-se ao sistema caótico em busca da “lei da sobrevivência”, para renascer da lama da estagnação.

O resultado deste processo não é o ponto final e sim, um novo caminho, onde travaremos batalhas para extirpar os restantes "corrompidos", mas acima de tudo, o povo brasileiro deixou um recado bem definido: APRENDERAM O QUE É CIDADANIA E SUAS VERTENTES, "DIREITOS E DEVERES". Por certo, no decorrer do tempo, os corruptos serão chamados para prestar contas às parcas Instituições que se mantém imune à corrupção ou receberão, o mesmo tratamento: IMPEACHMENT JÁ.

Bate à porta de cada brasileiro grave crise, a recessão, mas tu “pró” e tu “contra” não esmoreçam, pois, o poder emana do povo e um governo, “sem ORDEM jamais terá PROGRESSO”.

 

 

O Dia Mundial da Terceira Idade foi proclamado pelas Nações Unidas como forma de chamar a atenção do Mundo para a situação financeira, social e afetiva em que se vive nessa faixa etária.

Nos séculos passados, após 60 anos, os homens esperavam a morte sentados em poltronas confortáveis assistindo saraus e bebericando seus licores e posteriormente, a TV. As senhoras prendadas reuniam-se para falar sobre alimentação, vestuários, filhos e quem sabe, um pouquinho de diz-que-me-diz.

O que mudou na terceira idade? A conscientização do homem ao concluir que, se ocupar a mente ela proporcionará mais saúde ou menos doenças no corpo físico e incentivará a produtividade mental.

Em minha cidade se saio pela manhã observo idosos circulando na área central para compras, se saio a tarde observo senhores e senhoras enrolados para presente, em direção aos bailes vespertinos e, à tardinha estes jovens idosos estão em casas de chá saboreando, nossos doces pelotenses. É possível classificá-los e tratá-los como idosos? Não, são apenas pessoas que estão anos à frente, com uma bagagem de experiências de mestres.

Alguns destes jovens idosos acumulam sequelas de doenças crônico-degenerativas e suas complicações, pois o Estado não aplicou estratégias para prevenção e tratamento das mesmas. Àqueles que sobrevivem por si usam seu tempo para curtir a vida literalmente, entre produção e lazer. Terceira idade é a ponte entre a juventude e a velhice e deve ser transitada muito devagar, para colher vitórias dos desafios que a trajetória apresenta, enquanto existe “vida”.

 

 

Lá se foi o tempo que deixou saudades. Hoje, apenas lembranças da abençoada convivência familiar, quando primos se encontravam para as peraltices e social, quando a amizade se tornava espontânea. A palavra individualidade era um termo desconhecido e existia pureza de sentimentos, ou seja, a inocência se sobressaia.

Lembro-me das fugas inocentes para molhar os pés descalços nas poças de água ou tomar um banho de chuva, dos joelhos esfolados, dos furtos em pedaços de bolo antes das refeições, das arteirices cotidianas como subir em árvores para apanhar doces frutos e levar puxões de orelhas dos avós, pois os frutos não estavam maduros.

Lembro-me de histórias, dos sustos com os fantasmas (um adulto coberto por um lençol), mas não me lembro de palmadas e castigos, pois dizem que eu era uma menina comportada.

Mesmo que estas lembranças nostálgicas sejam passageiras a vida, em algum instante alicerçou na memória, um tempo de alegria e magia na estação da infância.

 

 

No decorrer de minha existência observo que o Natal é a maior ferramenta para o movimento de contas bancárias. Na humanidade alguns homens se reúnem para festas sem lembrar que passaram o ano sem praticar a caridade com a família, os amigos e semelhantes. Alguns homens acreditam que esta é a hora de ostentar uma farta mesa, bebericar bons vinhos e providenciar inúmeros presentes em volta da árvore de Natal. Alguns homens que não conseguem expressar um afeto através da palavra ou do tato e usam este evento para que sejam julgados bondosos ao ofertar um valioso presente. Alguns homens esquecem Jesus, mas não de Noel, um ícone de extravagâncias. Alguns homens não oram pelos que estão em um leito de hospital, não lembram os mendigos que circulam por ruas de sua cidade e vivem de esmolas. Não são homens, são apenas indivíduos que necessitam urgente de uma reforma íntima.

Ainda bem que existem homens que comemoram o significado espiritual do Natal em todos os segundos da existência, homens nobres em pensamentos, palavras e obras que norteiam sua caminhada praticando a caridade. Estes homens são conhecidos como semeadores da luz, independente da fé que professam e como é chamado seu Deus.

Não esqueça que o amor é o presente que Jesus gostaria que fosse ofertado ao seu semelhante. De acordo com a Lei da Troca e da Oferta você, também, receberá este amor fraterno. Que seu Natal seja abençoado.

 

Quando iniciou o ano não sabia como cumpriria minha missão. A inteligência me fez entender que nada sou diante dos desígnios do Criador e que a vida é fugaz, com tempo indefinido. Agradeço-te pelo despertar e assistir o renascer de cada habitante nos reinos da natureza, por ter oportunidade de me despedir da lua e, em oração silenciosa ao adormecer agradecer ao Pai, por ser merecedora de dádivas.

Teus doze meses passaram rápidos sem me aperceber por inúmeros desafios a superar. Agradeço as oportunidades de demonstrar afeto e respeito por todos semelhantes, pois contigo aprendi meu sábio mestre, a vivenciar cada segundo alicerçada nos sentimentos nobres, em busca da evolução espiritual. Gratidão 2016.

  

 

A demagogia é uma ferramenta perigosa que atravessa os séculos. A desigualdade social e a precária educação são muito bem manipuladas pelos demagogos políticos que vestem capas ideológicas e o povo, cego, surdo e mudo se deixa manipular. Não importa o modelo político, direita, esquerda ou centro, pois todos defendem seus interesses individuais, para se manterem no poder.

O demagogo perigoso é o radical populista que inflama massas com o verbo, resta ao povo se politizar e vencer os invencíveis com seus ideais.

Até que ponto o indivíduo é influenciado pelas verdades nuas e cruas e a cascata fantasiosa das inverdades, noticiadas pela mídia? Muito, e assim, o homem passa sua existência, a mercê dos donos do poder.

A teia da mídia se estende aos lares com vários ícones, bem como traz a instabilidade que gera mudanças no comportamento, social, político, religioso e norteia, as decisões pelas emoções, pelo medo, pela alternância de sobrevivência.

Faz parte da natureza humana desejar conviver através de seus sentidos com ícones que desgastam e, principalmente, vivenciar o processo de vítima, pois é mais fácil transferir à terceiros suas escolhas errôneas do que polir seu discernimento.

Através de um olhar crítico é possível afirmar que a mídia tem uma expressiva responsabilidade com a sustentabilidade política/social das Nações.

 

Metáforas delirantes são tentativas de dar sentido ao que está fora do sentido, por isso existem as construções mentais delirantes, as quais são alimentadas por impulso externo e a recepção interna de uma inteligência obstruída.

Atualmente o impulso é a megalomania da classe política e as emoções desordenadas do cidadão. O preocupante é o número expressivo destes cidadãos que estão incluídos, nas classes média e rica, pessoas abastadas e com alto nível cultural.

Não faz muito li um artigo absurdo na mídia, sobre a morte de Mariza Letícia da Silva, pois a mente obstruída perdeu a noção dos ciclos de vida do homem (nascer/viver/morrer) e a composição do corpo humano que é formado por vários sistemas, os quais envolvem órgãos que atuam para a realização das funções vitais do organismo. Desta forma jogam a culpa do óbito, no povo que exige justiça sobre os descalabros governamentais, bem como, sobre os componentes da Lava Jato.

O que pensam estes cidadãos sobre óbitos com a mesma origem, de pessoas da classe pobre e miserável? Tenho certeza que desconhecem, não importa, pois não se enquadram nas legiões dos corruptos, àqueles considerados devassos, depravados e dos corruptores, àqueles que prestam apoio para se dar bem amanhã.

E assim navega o Brasil, um barco à deriva, com um futuro imprevisível.

 

As ruas nos mostram um emaranhado de pessoas entre seu ir e vir, mil faces com músculos tensos e envolvidos em seus pensamentos individuais. Muito estão absortos e colidem com os outros transeuntes sem ao menos desculparem-se. Muitos parecem assustados, outros alienados conversando consigo, drogados, esfarrapados, pedintes e muitos oportunistas distribuindo papéis solicitando ajuda, outros tantos larápios, sem contar com os animais ao relento com frio e fome junto aos donos.

Este emaranhado é composto de semelhantes que lutam ao seu modo pela sobrevivência, a faixa etária é variada, desde os pequeninos carregados por mães, aos idosos. Muitas das situações chegam a ser hilária aos olhos do observador pelos acontecimentos engraçados ou surpreendentes no palco da vida. Os atores representam seu papel, as cortinas fecham-se e o cronista tem assunto para escrever embasado no que viu, sem conhecer os personagens, suas alegrias e suas dores.

 

Na energia da leve brisa matinal avistei, a dança de um pequenino colibri, esvoaçante entre flores de meu jardim. Seus delicados beijos acariciavam as flores vermelhas de uma guiné do mato. Suas idas e vindas demonstravam momentos de reflexão e a arte do pulsar da vida. Senti vontade de fotografá-lo, mas o raciocínio lógico impediu que me afastasse da janela, pois perderia o balé de asas.

Colibris visitam cotidianamente meu jardim, mas este por estar só absorveu minha atenção. Sem condições de diálogo detive-me, no monólogo silencioso para não o assustar. Sensibilizada, após um tempo sem contar os minutos, a belíssima ave alçou voo em direção oposta. Agradeci a Deus poder apreciar uma demonstração de afeto entre o reino animal e vegetal, um momento de arte e poesia.

 

Para os Espíritas, a Páscoa representa a busca pelo conhecimento, a renovação dos propósitos mais nobres na evolução espiritual, renovando os princípios éticos e morais.

Os dogmas de todas as religiões devem ser respeitados, desta forma, seja qual for sua fé, use este tempo para renovar sua essência, oportunize brotar as sementes plantadas no espírito ao reencarnar, como o amor, paz, humildade e as dívida com seus semelhantes.

Receba meus votos de uma Páscoa alegre com paz e união. Que você, de alguma forma, possa sinalizar seu marco individual para o caminho do Amor Universal.

 

 

Muito feliz. Mais um semestre que venci e este foi o melhor semestre na minha vida acadêmica. Arregacei as mangas e mostrei trabalho, competência e o reconhecimento por parte de colegas e superiores aconteceu. Neste ano, dois Museus da Colônia de Pelotas, “Museu Etnográfico da Colônia Maciel” e “Museu da Colônia Francesa” estiveram sob minha responsabilidade, para recuperação de seus acervos e cada objeto está impregnado de minhas energias, em seus novos ciclos de vida. E eu faço parte desta nova história. O agradecimento do Coordenar do Projeto dos Museus da UFPel, Prof. Fábio Vergara Cerqueira: Não é todo dia que se encontra uma profissional e acima de tudo uma pessoa com as qualidades de seriedade, compromisso e confiabilidade que encontramos em ti Vera Regina Cazaubon, aliadas à competência. Vais fazer falta! Sou imensamente grato à cooperação que tivemos durante este tempo. Emano bons augúrios para os novos passos que vêm pela frente!

 

 

Nesta data os trabalhadores do Brasil comemoram o “Dia do Trabalho”, consolidada como o Dia dos Trabalhadores em 1925, quando o presidente Artur Bernardes baixou um decreto instituindo o 1º de maio como feriado nacional. Desde então, comícios, passeatas e festas comemorativas ocorrem por todo o país.

É uma data muito importante, um marco de cidadania e a certeza de que o trabalhador está e estará sempre buscando a legitimidade de seus direitos. Mesmo que a caminhada seja íngreme ele está consciente que não é a profissão que o difere de tantos e sim o caráter, pois todo o trabalho dignifica.

Ao Estado cabe prover a dignidade de seu cidadão, as promessas de projetos estão aí, propagadas aos quatro ventos, mas entre os verbos “prometer e executar” ocorrem obstáculos, os quais tardam realizações.

Eu, como cidadã brasileira entendo que: “O País reflete sua dignidade quando os poderes que o constituem trabalham unificados para o extermínio da corrupção e da desigualdade social, sementes nocivas que proliferam a pobreza e a marginalidade”.

A você trabalhador, independentemente de sua classe social parabéns, não se deixe escravizar, enquanto há vida existe a esperança de um futuro melhor, enquanto existir a união das classes desafios serão vencidos.

 

Alguém disse: “as grandes essências estão contidas nos pequenos frascos”, uma verdade incontestável e temos como exemplo, uma mulher chamada MÃE, a qual possui um potencial incalculável.

Mãe é uma fonte inesgotável de poder, símbolo de magnitude, não a que se refere à astronomia e sim, àquela que corresponde a um corpo biológico e um corpo espiritual.  Mãe é forte, pode tudo, inclusive abdicar de sua individualidade para satisfazer um indivíduo chamado filho.

Não existe mãe sem filho ou filho sem mãe, o que as difere é a condição social. Algumas, com um excelente poder aquisitivo entregam seus filhos para babás e outras aprendem com a escola da vida e praticam no cotidiano, sem oportunidades para teorias. Mãe não significa apenas o ato de gerar, qualquer mulher pode exercer esta missão desde que dívida com um ser o amor incondicional.

O resultado da formação de um filho é mostrado no futuro com a colheita, a qual não está afeta à classe social e sim, as semeaduras, que germinarão flores e frutos ou espinhos.

Além das mães da terra existem Mães no plano espiritual de acordo com a crença praticada. Para estas Mães peço que sejamos abençoadas em todos os segundos para que nossa missão seja alicerçada na sabedoria, bem como, livrem nossos frutos de todos os perigos que os circundem.

 

 

As festas juninas no Brasil iniciaram com sua colonização, uma cultura europeia que foi adotada e difundida entre brasileiros, mas tudo muda de acordo com interesses da época e, as famosas festas em homenagens aos santos católicos, que iniciam no dia 12 de junho, véspera do dia de Santo Antônio e encerram dia 29, dia de São Pedro também mudaram em algumas regiões.

Nestes festejos, famílias e amigos se reuniam, ruas eram fechadas e enfeitadas com balões e bandeirolas coloridas. Ainda lembro das fogueiras, foguetes, a dança das quadrilhas, o pau-de-sebo, a carroça carregando os noivos caipiras.

Sinto saudades daquele tempo de alegria, dos quitutes como pinhão, bolo de milho, canjica, pipoca, milho cozido e o delicioso quentão.

Não se vive de saudades, sendo assim providenciarei uma fogueira e tomarei quentão, mas não esquecerei de pedir bênçãos para São Pedro, Santo Antônio e São João.

 

Dizia-se no passado que, o nome de nossa cidade originou-se do meio de transporte fluvial usado pelos indígenas, uma canoa de couro batizada com o nome de Pelota, a qual deu origem ao nome do arroio Pelotas, o qual abrigou em suas margens, a proliferação das charqueadas e impulsionou o movimento da região. Desta forma recebeu, o nome de Vila de São Francisco de Paula e passou à categoria de cidade. A primeira referência histórica do surgimento do município data de 1758.

Em virtude do expressivo número de habitantes e a riqueza local a cidade recebeu também, o nome de Pelotas, conhecida como “Princesa do Sul”, por ser considerada a cidade mais importante da província, a qual exerceu uma grande influência econômica, cultural e política em todo o Rio Grande do Sul.

A elite de charqueadores trouxe arquitetos famosos da Europa para construir seus palacetes, formando um conjunto arquitetônico único e monumental, de estilo Eclético, que denota sua opulência. Pelotas dos barões, viscondes, conde os quais construíram, uma sociedade aristocrática. Pelotas com suas etnias, indígenas, negros africanos, portugueses, alemães, italianos, franceses, poloneses, judeus, árabes libaneses, gente que aqui chegou e fixou residência por oportunidades que a cidade oferecia. Pelotas dos teatros, dos poetas, dos artistas. Pelotas conhecida como a Capital Nacional dos Doces.  Pelotas dos escravos que contribuíram para a riqueza de seus senhores, com o trabalho braçal no cotidiano, sob as intempéries e humores dos charqueadores.

Pelotas atravessou a metade do século XVIII, os séculos XIX, XX e nos primeiros anos do século XXI mantém seu patrimônio cultural, com edificações restauradas para próximas gerações.

E assim, amanhã 7 de julho a Princesa do Sul comemora suas 204 aniversários com uma semana de programação extensa, rememorando fatos e cidadãos que contribuíram com o progresso do Município, nos aspectos social, econômico, político e religioso. Parabéns Princesa do Sul.

 

Muitas vezes o indivíduo tem um comportamento agressivo sem explicação plausível e extrapola em atitudes, como o que ocorreu nas redes sociais sobre a exposição de “Queermuseu” no Santander Cultural/RS. Nos é facultada a inteligência para manter o discernimento em equilíbrio, a qual é obscurecida por sentimentos nocivos que geram ações maléficas impulsionadas pelo armazenamento de fantasmas, desejos, tabus e fantasias que habitam o inconsciente. Desta forma, o indivíduo perde a razão quando invade a individualidade de forma desastrosa.

A arte e suas formas de expressão nasceram com a humanidade e passaram por inúmeras vertentes de acordo com a época. Em cada obra está contida a essência do artista que permite fluir suas emoções e sentimentos, seu patrimônio imaterial e intransferível. Cabe a nós espectadores gostar ou não, mas nunca cercear e incitar movimentos depreciativos. Os últimos acontecimentos autenticaram pensamentos retrógrados.

 

 

Pelotas em seu último dia de inverno. Um dia frio, ventoso, como se a estação não quisesse concluir seu ciclo. No período da tarde percorri ruas, para realizar tarefas e observei, transeuntes com passos rápidos a fugir do chuvisco na busca de abrigo. Não foi possível aspirar o aroma das flores e escutar a melodia do vento, características da Primavera, pois o cinza invernal cobriu a leveza do balé de asas da passarada.

Sentada no banco de meu transporte coletivo em monólogo perguntei, quantas pessoas teriam percebido a entrada da nova estação, quando escutei: É primavera. Voltei-me para àquela voz rouca e questionei: Primavera triste por quê?

Um rosto sulcado de rugas pela passagem do tempo, cabelo branco como a neve em largo sorriso respondeu: A natureza é igual a nós moça, triste.  Retornei ao monólogo para entender a profunda sabedoria de meu semelhante.

 

 

Todas as religiões da terra conhecem uma das mais importantes leis do universo: a lei de causa e efeito. Nos últimos meses, o povo brasileiro usa esta lei em seu cotidiano nas diversas classes sociais da sociedade, em busca da sobrevivência. Os governos nas três instâncias, Municipal, estadual e Federal tratam seu cidadão como marionetes, mas as marionetes reagem também, através da palavra ou da ação.

É deprimente ver a falta de respeito entre o povo e seu governo e o governo com seu povo, pois cada pensamento causa uma consequência (positiva ou negativa ao nosso julgamento e dos demais) e, desta forma ocorre, uma desestabilização da harmonia do sistema universal que resulta no alimento do Ego dos fortes e ao mesmo tempo, as emoções de raiva e ódio dos fracos.

 

 

Pelotas/RS - Altar da Pátria erigido para homenagear os brasileiros mortos em combate na II Guerra.

Manifesto

Bacharel em Conservação e Restauro de Bens Culturais Móveis

Pela primeira vez faço uso meu título, para fazer um manifesto relacionado ao meu aprendizado, a responsabilidade de zelar por patrimônios. É com imensa tristeza que vejo este patrimônio danificado, que passo por ruas da cidade, no perímetro de minha residência e vejo, prédios ocupados por acadêmicos da UFPel, com sua pintura externa danificada, por palavras de ordem.

A democracia nos permite criticar e mostrar a cara, bem como lutar por direitos com respaldo de Leis que facultam a liberdade de expressão, mas não podemos esquecer de nossos deveres, ou seja, nosso direito termina quando inicia o do outro, como este patrimônio cultural e os prédios da UFPel, violados em suas edificações.

Estes atos são consequências de um grupo de pessoas insatisfeitas com os descalabros da política atual em virtude da violação de seus direitos, mas a vitória de uma luta só é conquistada com respeito mútuo.

Qualquer dano ao patrimônio é considerado crime com punições legais por Leis Municipais, Estaduais e Federais, as quais protegem os patrimônios.

 

A Saúde em nosso País adoeceu, esta realidade é percebida por aqueles que dependem dos Hospitais mantidos pelos Governos: Municipal, Estadual e Federal. O atendimento à saúde é uma engrenagem e para o bom funcionamento da mesma é necessário que: exista o compromisso do Ministério da Saúde distribuindo verbas aos canais competentes e que, estas verbas não sejam desviadas por corruptos, bem como, a formação de bons profissionais, Médico e Enfermeiros.

Onde está o Médico que, no momento solene de “sua formatura”, se compromete a salvar vidas? Estão aos milhares, espalhados pelo Brasil, alguns, inclusive, com contas bancárias polpudas, outros atendendo em postos de Saúde e os mais dedicados, cuidando dos necessitados nos confins das terras brasileiras.

Onde está o profissional de enfermagem que através de curso Técnico ou Superior foi supostamente avaliado e aprovado?

Em nosso País o descaso de atendimento leva ao óbito e a descrença do indivíduo, pois a maioria, quando busca auxílio é quando o chá caseiro não mostrou o resultado desejado, ou seja, quando o indivíduo se sente impotente ao desconhecido.

É possível observar que existe uma grande diferença entre os médicos e enfermeiros do passado e os da atualidade, um número expressivo exerce a profissão visando o sucesso financeiro e a fama, poucos trabalham por amor.

Onde está a solução? Em primeiro lugar, na solidez da base que são os Mestres, em segundo, na avaliação rígida dos acadêmicos quando fazem seu estágio ou sua residência, em terceiro um concurso público para mostrar conhecimento e após, ocupar o cargo em questão, em quarto a vigilância do Ministério da Saúde.

E as verbas para manutenção dos hospitais e postos de Saúde? Todos se perguntam, a ideia brilhante não desperta, o Ministério da Saúde transfere responsabilidades aos Municípios e Estados e se omite, esquece que a Saúde é um bem imaterial, direito do cidadão.

É Brasil, se não ocorrer mudanças, tua Saúde se direciona ao óbito e tua ausência não será notada, pois milhares de brasileiros irão antes de ti.

 

 

Uma parcela expressiva culpa o universo político pelo caos que o Brasil enfrenta, mas esquecem que o responsável por todos os descalabros institucionais é o povo que os colocou nos respectivos cargos nas esferas, municipal, estadual e federal, pois sem o voto popular não estariam lá. Classifico o eleitor em três categorias, o cidadão "inculto" que crê em tudo que escuta, principalmente sobre bolsas miséria e aumento salarial. A outra categoria é composta por àqueles que não se preocupam com seus deveres de cidadão e ainda usam a expressão "seja o que Deus quiser". A última categoria é composta de indivíduos sem caráter que votam para conseguir benefícios ilícitos, desta forma é necessário colocar um grupo de quadrilheiros no poder. Para expulsar o governo corrupto do PT o povo se uniu por uma comoção nacional, mas para expulsar os corruptos de outros partidos tiveram uma comoção cerebral e o cidadão ficou com sequelas graves, sem atitudes condizentes com a situação. 

 

Observa-se que, no processo do Impeachment, o verbo “TRAMAR” foi usado na maioria das conjugações. Com o passar dos eventos, mentes torpes o usaram no gerúndio “foram tramando”, mas esqueceram que, o povo não é otário para ser enganado. Ficou bem claro os conchavos políticos que ocorreram, para acalmar a sociedade em suas reivindicações e para salvarem lobos ocultos em lã de cordeiro.

As delações se avolumam e todos temem ser o próximo investigado, desta forma, o resultado foi um complô conjugado, no particípio passado onde tudo foi “tramado”. O que esperar de um Senado corrompido por descalabros institucional, o que esperar de um presidente do Senado e do Supremo Tribunal Federal, que tem como dever zelar, pelo cumprimento da Constituição permitirem, que a ideologia política seja superior a imparcialidade?

E o povo discute, as redes sociais se inflamam com frases pejorativas, em ameaças de exclusão de amigos oponentes, os pensamentos nocivos se multiplicam enquanto, os artistas do circo da corrupção, nos menosprezam atrás das cortinas.

Nesta data a justiça não venceu, mas a “trama” se evidenciou. Creiam que este assunto não se esgotou e que, de acordo com as circunstâncias, estes personagens estarão dispostos a focar uma meta no futuro, “nós tramaremos”.

 

 

Notícias bombando nos quadrantes do País. Os cidadãos de bem estão, no aguardo da prisão de Lula e de mais alguns como, Eduardo Cunha - o pai do Impeachment e Renan Calheiros, pois quando forem acuados com a decisão da prisão arrastarão, no mar de lama, um número expressivo de pessoas, políticos e outros. Estes três personagens são potenciais delatores que contribuirão para a faxina geral e um Brasil de transparência.

A pressão popular foi a mola propulsora para afastar Dilma e Cunha, pois a voz do povo é a voz da democracia e autenticaram que, a opinião pública influência na política nacional. A voz do povo te elegeu Moro, como salvador da pátria e tem por ti, admiração e respeito, por tua ousadia e determinação.

E agora Moro? Não tarda a aceitar a denúncia, os políticos são hábeis em disfarces e até mesmo em elaborar, uma rota de fuga. Não tarda a aceitar a denúncia, o povo sofrido não perdoará falhas e perdeu a paciência para enrolações. Não decepciona os brasileiros que te apoiaram e incentivaram, este é teu momento de ação e de perseguir tua meta – um Brasil sem corrupção.

 

Nesta data, a Igreja Católica celebra a Festim Ominam Sanctorum. Dentro dos dogmas do catolicismo é a celebração da conexão do homem com Deus na busca da perfeição. Recebe bênçãos especiais dos santos, homens que desde o início da igreja até os dias atuais, de alguma forma dedicaram suas vidas à fé e trabalhos humanitários, os quais foram canonizados em reconhecimento. Mas existem inúmeras opções religiosas com diversidade de rituais, em homenagem aos seus santos. Esta soma de rituais leva o homem à manifestação de fé em suas crenças, através de um estado meditativo para reflexão e oração, em busca de respostas às inquietações.

 

 

Nas campanhas eleitorais os políticos necessitam do povo para um voto, prometem e, quando eleitos, se adéquam ao sistema e não cumprem a “palavra”, propagada ao vento. Não permita que a palavra “povo” seja usada como barganha de voto e após tenha um significado abstrato. O Povo é formado por indivíduos, sem discriminação ou preconceito de orientação sexual, racial ou religiosa, independentemente de sua condição social ou econômica, desta forma, o povo é o único responsável por tudo que ocorre no País através de seu voto, profícuo ou nocivo.

O conceito de povo não é estagnado e evolui de acordo com as mudanças da sociedade e cada indivíduo tem sonhos os quais, não podem ser manipulados por mãos de inescrupulosos e corruptos.

Urge mudanças nas Leis da Constituição através de uma Assembleia Constituinte, a escolha de pessoas de caráter ilibado para representar o cidadão, bem como, a necessidade de o cidadão exercer a cidadania em prol de uma Constituinte que dignifique a Pátria.

 

 

 

Em tempos idos o carnaval tinha uma beleza ímpar. Salões enfeitados com serpentinas coloridas, muito confete e a música das marchinhas gostosas de dançar, concursos de fantasias, com representantes dos Clubes da cidade.

O folião fantasiado desfilava só ou acompanhado e abria as portas da festa o Rei Momo, um “gorducho” alegre com um sorriso jovial, vestido a rigor com as chaves da cidade na mão, acompanhado em sua corte, com belas meninas.

O carnaval de rua era belíssimo, com desfile de carros e mascarados brincando com os expectadores, jogando confete e lança perfume.

A quarta-feira de cinzas era dia de descanso, apenas alguns foliões desfilavam, Pierrô sem sua Columbina e os que beberam além da conta sentados em portas, até despertar.

Mais um carnaval que passa, por certo cada indivíduo nesta data tem inúmeras peripécias para contar ou, armazenar na saudade o que não foi, mas com esperanças de ser feliz no próximo ano.

 

            A verdade é uma palavra composta por um triângulo, ela habita na vértice e nos ângulos congruentes está o historiador e a história. Ele conta a história com a veracidade que a vê e quem escuta pode ter uma visão diferente, ou seja cada um escolhe a sua verdade.

            Desta forma ela não é universal, não é absoluta e, em muitos casos lhe é acrescentado o sufixo “in”, inverdade que não é uma mentira, apenas um prisma de olhar.

            Em alguma situação da vida o indivíduo não falou a verdade, às vezes para evitar atritos, outras para não causar mágoas, mas um semelhante de alguma forma sofreu consequências por uma decisão impensada.

            É necessário autenticidade para expor o que se sente, o que se pensa, o que se faz tendo como alicerce a plena verdade, bem como, arcar com as consequências do que pode ocasionar, mas de qualquer forma é necessária para uma boa convivência em qualquer aspecto da vida.

 

 

O conceito de felicidade é complexo  diverge entre os homens em extremos, alguns são levados à utopia que felicidade é eterna, outros descrentes, dizem que não existe. Meu conceito de felicidade é que ela faz parte de um estado de espírito, uma sensação momentânea que nos traz alegria, contentamento produzindo um momento feliz, mas sensações se alteram de acordo com os fatos, ou seja, a felicidade é momentânea e sua conquista advém do autoconhecimento e a coragem de transformar os desafios em vitórias.

Esta sensação faz parte de nosso universo individual, de nosso projeto de vida, nossas escolhas e da responsabilidade em assumir as consequências das mesmas, derrotas ou vitórias, de forma consciente e equilibrada. Enquanto o homem estiver voltado a satisfazer a vontade alheia, proposto a desenvolver no palco da vida o papel de vítima será infeliz e se distanciará desta sensação de plenitude em sua caminhada.

A felicidade não está atrelada a outras pessoas, covardia, estagnação, inveja, insegurança e outros tantos sentimentos nefastos que conduzem à frustração e, um ser frustrado, jamais será feliz. O homem feliz expressa esta sensação através de seus cinco sentidos, pois felicidade é um tempo que devemos vivenciar e um espaço, o qual devemos ocupar.

 

Entre o nascer e morrer, a idade cronológica classifica o ser humano em quatro fases de vida: infância, adolescência, adulto, velhice e mostra, quantos anos você é habitante deste planeta, desde seu nascimento.  Além de sua idade cronológica o homem tem mais duas idades, a biológica que corresponde ao complexo mecanismo de nossos elementos fisiológicos, de acordo com o estilo de vida e da defesa do sistema imunológico, o qual pode ser natural de acordo com os hábitos saudáveis cotidianos ou, através de medicação à um problema específico. A terceira idade é a psicológica para qual deve ser dada a máxima atenção, pois a passagem do tempo deixa marcas no físico, faz parte do desgaste corpóreo, mas só ocorrerá desgaste se você não produzir instrumentos, para suprir as necessidades da idade cronológica, como o aspecto afetivo. Nesta idade é necessário o desapego de emoções nocivas, para que não se tornem obstáculos à sua trajetória. Ser idoso não está inserido na sua primeira idade e sim, no momento que você desistir de viver seu minuto presente de forma plena, em pensamentos, palavras e atos produtivos. Sua vida é uma paleta, use as nuances da maturidade, para pincelar suas escolhas e seja muito feliz, acompanhado de sua criança interior.

 

Em seus ciclos de vida o Homem nasce, cresce e fenece. Os ciclos são feitos de desafios e aprendizados, os quais são revelados no decorrer da existência, através dos atos. Como o homem é permeado de um corpo biológico e de um corpo mental é necessário um equilíbrio para que, mesmo que os órgãos tenham o desgaste normal do tempo, o corpo mental se mantenha jovem.

Uma mente sã mantém um corpo saudável e observamos este exemplo nas faixas etárias dos poetas, pois os poetas e escritores da terceira idade, com mentes brilhantes e apresentam trabalhos literários magníficos.

O idoso tem seus cinco sentidos aguçados, formado na Escola da Vida, Mestre em Emoções e Doutor em Sentimentos, títulos que lhe são atribuídos por competência e merecimento. No aspecto profissional, atualmente, esta faixa etária está tendo espaço e seu trabalho valorizado. No aspecto familiar ele é mais ousado, não fica sob jugo ou grilhões, quando não é possível consertar, joga tudo para o alto e vai ser feliz, pois sabe que o tempo urge. No aspecto da saúde física é seu próprio médico, conhece suas debilidades, conduz a dieta à risca e dedica-se ao esporte para manter a forma, para não enferrujar a musculatura. No aspecto do amor são os mestres na arte da conquista e, se tiver quem corresponda, serão excelentes amantes, pois a chama do desejo não se extingue, necessita apenas ser reativada.

Prolongue sua terceira idade ao máximo para não ser rotulado como “velho ou ancião”, pois este será o ciclo da passagem final, despedida entre o corpo e o espírito. Um beijo com carinho para você, meu amigo da terceira idade.

 

Você é feito de energias e energias devem estar em constante movimento. Se você escolher uma vida saudável física e mental terá que optar, por uma série de comportamentos em pensamentos, palavras e obras.

Se optar por uma alimentação errônea por certo seu mecanismo biológico irá sentir, pois uma má alimentação é responsável por diversas doenças, como no aparelho circulatório, digestivo, etc. bem como a obesidade que fará aos poucos a musculatura emperrar e tornar difícil a locomoção e sua vida será sedentária, sem o movimento necessário para sua energia vital.

Se optar por uma vida desgastante emocional logo ali suas emoções projetarão para o corpo físico várias doenças e você conhecerá a inércia.  As percepções e sensações do cotidiano são armazenados no cérebro e as sensações iniciam o processo de transformar no seu consciente, emoções em sentimentos, os quais são expressos por palavras benéficas ou maléficas.

É possível afirmar que o homem armazena na memória seus traumas e tabus, os quais faz questão de não lembrar e desta forma inibe ou limita suas realizações. Enfim aqui está o inimigo, a estagnação emocional. Se não monitorar este aspecto por certo apenas sobreviverá. Um plano emocional distante da realidade bloqueia criatividade, a inteligência e o poder mental, ou seja, as energias vibracionais não se movimentam, mas é necessário respeitar você, pois as opções são suas.

 

Em nosso calendário estão marcadas, datas festivas e todas com certeza estão ligadas ao consumismo. Aproxima-se o dia da criança onde todas aguardam presentes distribuído por familiares e amigos corujas, mas por certo não dedicam seu tempo para captar as necessidades verdadeiras das crianças, as quais na maioria das vezes, não estão direcionadas à presentes e sim para o afeto.

O diálogo familiar com o passar do tempo torna-se raro, pois seus membros estão mergulhados em seus afazeres profissionais, socias e tecnológicos e não percebem as alterações no comportamento de seus filhos, os quais expressam que algo não vai bem.

A família é o responsável pela educação de seu filho, por seu comportamento emocional e mental e esta fase é passageira, pois a transformação é rápida e depois de jovem o que poderia ser salvo está perdido, pois não estão preparados para vencer desafios e sim contorná-los. Valores como pureza e inocência são soterrados e os pais assistem mudanças e aproveitam, para culpar a escola que não cuidou de seu menino.

Substitua presentes por palavras, gestos amor e compreensão, não permita que seu filho se perca nesta selva de pedra, pois a família é o alicerce da maturidade até porque, já é um trauma a criança transpor suas fases etárias que representam o amadurecimento e responsabilidades. Não torne sua criança um jovem de olhar melancólico, um adulto azedo e um idoso ranzinza. Não esqueça que todos nós temos uma criança interior que merece ser feliz, independente de nossa idade biológica. Sorria, seja feliz e faça seu filho feliz.

 

 

Quando uma democracia fictícia chegou ao limite, o povo une-se para lutar por uma pátria estagnada e decide emergir do caos. Amor ao vencedor? Não. Mas o vencedor mostrou uma autenticidade de conceitos, ou seja, sou assim e me escolham se quiserem. A verdade expressa em palavras conquistou a maioria, sem medo de represálias e dos atos que serão impostos no futuro, o mecanismo que se apresentou para dar um basta à um partido que enganou o povo e dilapidou o erário público. Esta verdade foi a âncora no caos fétido do lamaçal da mentira.

Esta maioria lembrou que existe uma Constituinte ainda que obsoleta, mas vigente e amparada pelo Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Em uma eleição sem o alicerce da ética e o respeito, o povo bradou seu grito de guerra e fez a virada que, por tantas verdades e mentiras sinalizava impossível de ocorrer. Espera-se que a Justiça possa fazer seu trabalho, punir os corruptos para que não possam assumir qualquer cargo público, seja político ou administrativo. Espera-se que a Câmara e o Senado aceitem sua vitória e não representem impedimento para as decisões que irão favorecer o povo. Espera-se que ao esfriar os ânimos exaltados a oposição se conscientize que a velha política tinha que entrar em óbito, pois o País necessitava renascer e se unam, por um Brasil melhor. Espera-se que o candidato eleito reveja alguns de seus conceitos e administre com igualdade os direitos dos cidadãos, independentemente de gênero, cor, orientação sexual, orientação religiosa e classe social e desta forma, o Brasil conheça o significado pleno de nosso lema nacional, “ORDEM E O PROGRESSO”.

 

Foi um ano de desencanto, com os humanos, com valores, com a falência de instituições governamentais e religiosas que deveriam guardar a ordem, a paz  e a fé, fatores que contribuíram com a peste que assolou nosso território e resultou na miséria dos cidadãos, desemprego, descaso com a saúde, educação, falta de segurança pública, o massacre das bestas humanas, que utilizam a mulher como objeto sexual,  corrupção endêmica, constituinte obsoleta que faculta decisões de barganha.

Desencanto com àqueles que poderiam criar metas para solucionar os riscos ambiental, tecnológico, geopolítico, social e econômico e desta forma colocar nos trilhos este trem desgovernado chamado Brasil e recuperar a credibilidade governamental, bem como, a capacidade de investimento do Estado e de atração dos investimentos privados. Onde estão “áqueles”? Preocupados com sua ascensão, com seu EU e desta forma ocorrem inúmeros descalabros, à nível municipal, estadual e federal.

O desencanto tomou conta dos brasileiros que decidiram dar um basta na sangria que sufoca o povo e optaram, por um novo regime governamental em nome da democracia. Onde está a democracia se, nas últimas décadas tivemos um regime governado por incompetentes, ora direita, ora esquerda? É democracia assistir diariamente cidadãos de uma mesma Nação em conflitos armados, com mortos e feridos? É democracia ver indigentes vasculhando latas de lixo em busca de alimento enquanto, a elite do país se banqueteia com o dinheiro do povo? É democracia a mais alta corte do país libertar meliantes? É democracia tratar os índios, nossos primeiros habitantes como sub-cidadãos? É democracia o preconceito racial e de opção sexual? Afinal, o que é democracia? Se ainda lembro existe vários tipos de democracia, que após algum tempo viram anarquia como nos dias de hoje. Qual será o sistema democrático que vai vigorar a partir de 2019? 

A maioria dos cidadãos quer ver o ano findar na esperança de anos melhores e mais justos. Será? Talvez, não sei, ninguém sabe. Só espero que o sacrifício que se fizer necessário para o progresso, seja alicerçado na isonomia, ou seja, igualdade entre os cidadãos e que seja respeitado o Estado Laico, separação entre estado e religião.

Que medidas aconteçam e não fiquem só nas palavras. Ao contrário conheceremos mais uma “peste”, depressão coletiva dos brasileiros que, sem esperanças, se transformarão em marionetes manuseadas por hábeis mãos que controlam, subjugam e reprimem ou, a violência de irracionais sedentos de justiça por suas próprias mãos.

 

Boas Festas é um leque de desejos como alegria de reuniões em família ou amigos, oportunidades para viagens de lazer, realizações de metas, enfim desejamos que tudo seja bom. Mas a trajetória do homem não é transposta apenas no que podemos chamar de “coisas materiais”, as quais tem o disfarce de substituir tantas outras necessidades. Posso garantir que são raros os humanos que tem Boas Festas, pois quem consegue sinaliza sua evolução espiritual, onde ao longo do ano exercitou sentimentos nobres entre seus semelhantes e não deixou para um Natal e Ano Novo fingir, que está em êxtase de alegria. Existe uma certeza, você poderá enganar seus pares, mas nunca a sua consciência. Ainda há tempo para o auto perdão, o perdão, a reconciliação, atos de solidariedade e caridade. Quem sabe você muda o curso destes sentimentos nocivos que habitam sua essência e curta, Boas Festas com a paz interior.

 

 

  

Último dia de 2018, deveria ser um dia de autoanálise para verificar se, o saldo de suas opções foi positivo ou negativo, mas são raros àqueles que executam esta tarefa, pois a euforia toma conta dos pensamentos, palavras e atos.  Quem consegue, por certo reconhecerá atributos negativos que envolveram a falta de paciência, solidariedade, caridade, humildade, soberba, bem como, atributos positivos como a perseverança, ousadia e coragem para vencer obstáculos. Você é artista, a tela é sua trajetória, a paleta de cores e nuances provém de sua criatividade, os traços resultam de suas percepções, sensações, emoções e sentimentos. Ser feliz, realizado, ter sucesso, amor e paz em 2019 depende de suas opções e cabe a você gerar seu renascer.

 

 

 

 

A história sobre o dia 1º do ano remonta em torno de dois mil anos antes da era cristã, quando os antigos babilônios festejavam a entrada de um novo ciclo anual, no início da primavera no hemisfério norte, que equivaleria ao dia 23 de março do calendário cristão. Outros povos orientais e ocidentais como os gregos, chineses, judeus e islâmicos tem datas definidas de acordo com suas culturas, mas com as mesmas finalidades, ou seja, o reinicio e a prosperidade.

No Brasil esta data é considerada feriado nacional e instituído por lei em 1935, pelo Presidente Getúlio Vargas. A proposição da Igreja Católica, através do Papa Paulo VI em 8 de dezembro de 1967 foi reconhecida, pela (ONU) Organização das Nações Unidas como o Dia da Confraternização Universal, ou seja, da união e da paz entre os povos e coincide com os festejos da passagem do ano.

Existe esta confraternização?

Vejo agrupamento de pessoas que festejam, das mais variadas formas esta data, entre família e amigos, mas será que a essência, da paz e união faz parte dos sentimentos? Tenho certeza que apenas uma minoria, pois a maioria está entrelaçada com o consumismo.

A paz individual é precária, pois o homem tem consciência de seus pensamentos, palavras e obras e a paz entre os povos parece impossível, em virtude de que, cada sociedade se volta para sua cultura e esquece o dever de respeitar, a cultura das inúmeras sociedades que habitam o planeta. A união entre os povos é inexistente ao observar que a guerra, fome, miséria e preconceito foram sementes, plantadas na humanidade e germinam como ervas daninhas.

Se em cada passagem de ano o homem estivesse disposto a autoanálise e um renascer, por certo, atributos positivos de civilidade seriam plantados em seus sentimentos e se estenderiam, aos necessitados, cidadãos de sua sociedade e povos de outros continentes. Cabe ao homem construir a paz através do amor e fraternidade, ela não é externa e provém da reforma íntima.

Vamos ver como a humanidade se comportará este ano, pois a UNESCO incentiva a conscientização urgente de preservar, revitalizar e promover as línguas indígenas no mundo, povos que habitavam os continentes antes das descobertas, os quais foram explorados e escravizados por novas civilizações, as quais dilapidaram suas culturas.

 

 

Como de hábito tomei meu café visitando o FACE e, em meio tantas notícias observei que, o assunto do dia é UMA CANETA BIC, o que motivou um número expressivo de críticas, com relação ao Presidente ter assinado documentos com a mesma.

A maioria da população fez uma opção se é certa ou errada, o tempo que mostrará. Em qualquer aspecto quando ocorre decisões sempre haverá opostos “quem ganha e quem perde” e quem perde tem que se conscientizar que “sua hora passou ou não chegou”. Como cidadã entendo que crítica de “mentes poluídas pela derrota”, como sobre a CANETA BIC, não soma energias positivas ao contrário, dispersa bons augúrios.

Agora é hora de ganhadores e perdedores unirem-se em prol de um Brasil que renasce e permitir que, medidas sejam aplicadas para varrer a podridão e estagnação que envolveu nossa pátria, por longos anos.

Que os cidadãos que escolheram o novo caminho possam aplaudir os acertos e que os cidadãos que foram derrotados não percam as esperanças, pois se tornou hábito no país, o IMPEACHMENT, mas deixem o Presidente assinar documentos com o que ele desejar, pois o que realmente importa são as medidas positivas ou negativas, que serão aplicadas neste carro desgovernado chamado BRASIL.

 

 

Observo os fatos ocorridos por dois aspectos. Em primeiro lugar no descaso das instituições públicas, os conchavos políticos e o engodo, que foram ferramentas para que ocorresse esta tragédia, pois não foi um acidente natural. Como no Brasil a impunidade é fruto da corrupção endêmica, as medidas tomadas servem para enganar uma população de classe pobre que utilizava seu trabalho para a sobrevivência. O dinheiro e o poder são maquiavélicos e dificilmente ocorrerá a punição necessária e este assunto grave será colocado entre gavetas de advogados e juízes, até as folhas amarelarem, como tantos outros sem a justa solução.

Em segundo lugar, a morte coletiva que só pode ser explicada através do KARMA COLETIVO, quando os espíritos que nos habitam antes da encarnar na terra escolhem, sua caminhada de vida e forma de sua passagem, ou seja como, local, dia e hora que ocorrerá.  Sabe-se que perdas ocasionam sofrimento e luto, mas cabe ao homem aceitar com sabedoria o final dos ciclos, com a morte física, ou seja, o despir do invólucro carnal para renascer, em um portal de paz e luz. Aceitar a perda de amigos, conhecidos, familiares requer profundo entendimento espiritual, saber que aqui estamos de passagem, que nada possuímos e desta forma conviver, com inúmeros invólucros em aprendizado até cumprir o débito Kármico individual e coletivo e aguardar o reencontro na morada do Pai.

Todos que se salvaram não eram elos deste Karma, e sim pessoas que de alguma forma, contribuíram durante o convívio, com as pessoas que partiram. Assim como, todas as pessoas envolvidas no salvamento de vidas e busca de corpos fazem parte, deste Karma coletivo como ainda encarnados. De alguma forma estão ressarcindo seus débitos Kármicos de outras vidas, com Brumadinho.

 

 

 

 

Assisti a escolha do novo Presidente do Senado. Superou as séries do NETFLIX, reuniões de verdades, mentiras, suspense, agressões, queda de braço do poder. Lastimo o desrespeito com o cidadão brasileiro, pois ali é a casa de quase 200 anos considerada um dos principais pilares da estabilidade do País, composta por 81 Senadores, os quais entre suas atribuições devem manter a ordem política, social e financeira, para o bom funcionamento da máquina pública.

Infelizmente, nosso Senado foi administrado por presidentes que pertencem a velha política, coronéis de estados brasileiros e por uma corja de corruptos. Mas o clamor do povo e os novos senadores que trazem metas de justiça e transparência contribuíram para mudança radical. O novo presidente mostrou ousadia e competência para desbancar, um cancro que ocupava o cargo de presidente há muitos anos embora, esteja respondendo processos administrativos, mas como um indivíduo só é considerado culpado após os trâmites legais vamos aguardar, os próximos capítulos da série BRASIL. O link a seguir nos fala dos processos do novo Presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre.

https://www.brasildefato.com.br/2019/02/03/e-do-dem-que-era-pfl-foi-pds-e-arena-davi-alcolumbre-o-presidente-do-senado/?fbclid=IwAR1IOKoKBQiSi9PGCSMMtp9ta-uSLHDTBY7TpOZIQQh9DZch5PrmsyGyDjs

 

 

Falando em carnaval lembramos “leques”. A provável origem do leque foi a China, onde se tornou parte integrante do costume nacional, sendo usado pelos reis como um sinal de dignidade. Da China passou para o Japão, onde também foi de uso constante.

O leque integrou, ainda, várias outras culturas: no Egito era uma honra poder-se abanar o Faraó, na Grécia, abanar a esposa durante o sono era uma grande prova de amor do recém-casado, garantindo-lhe o perdão por qualquer falta por ventura cometida. Roma tinha escravos especialmente designados para abanarem as patrícias e seus convidados em dias de intenso calor. Também o cristianismo adotou o leque, durante o ofício, dois diáconos protegiam o celebrante do calor.

Ao longo dos séculos, os leques foram feitos em diversos materiais e formatos. Primitivamente foram usados leques de folhas, penas, plumas, do feitio de nossas atuais ventarolas, quase sempre de grande tamanho. A partir do século XV foram confeccionados os leques propriamente ditos, reversíveis ou de fecho, constando de duas partes principais: a armação, pequenas hastes sobrepostas, e a folha, está em papel, pergaminho, pano pintado, rendas e gaze, bordadas com lantejoulas, fios de ouro e dourados.

No Brasil, os leques chegaram com D. João VI, que, seguindo o costume francês, introduziu o hábito de perpetuar nestes delicados objetos os fatos mais notáveis do período em que eram fabricados. O uso destes leques comemorativos intensificou-se nos reinados de D. Pedro I e D. Pedro II, encomendados no Brasil às chamadas "Casas das Índias", numerosas na Rua do Ouvidor, traziam em uma das faces, o feito histórico e na outra, decorações com motivos puramente orientais. Através dos leques, acompanha-se toda a história do Brasil, desde a chegada de D. João VI.

 

O uso litúrgico das cinzas tem sua origem no Antigo Testamento. As cinzas simbolizam dor, morte e penitência e o carnaval significa "festa da carne" e era, em seus primórdios, uma festa religiosa.  Às vésperas da Quaresma, diante da perspectiva de passar quarenta dias em abstinência de carne, os cristãos fartavam-se de assados e frituras entre o domingo e a "terça-feira gorda". Na quarta, revestiam-se de cinzas, evocando que do pó viemos e para o pó retornaremos, e ingressavam no período em que a Igreja celebra a paixão, a morte e a ressurreição de Jesus Cristo. A quarta-feira de Cinzas instiga-nos a refletir sobre esta experiência que não pode ser impedida: a morte.

 

 

Desde a Antiguidade grandes filósofos dedicaram-se ao estudo dos elementos, mas dentro do “senso comum” e acreditavam que possuíam qualidades. O senso comum foi substituído pelo “método científico” divergindo dos ensinamentos platônicos. Este ano observa-se inúmeras tragédias ocorridas pela inexistência de responsabilidade, anunciadas por previsões e sua origem advém dos quatro elementos da natureza em revolução: Ar (poder mental, da comunicação, mudanças, a sabedoria e acima de tudo, da liberdade), Fogo (paixão, da força de vontade, da conquista e sexualidade), Água (intuição, do subconsciente, da cura, do amor e das formas fluente e Terra (estabilidade, da firmeza, fertilidade, criação e harmonia), as quais levam à comoção nacional e internacional da humanidade, principalmente pelo expressivo número de vítimas. Na forma positiva os quatro elementos são essenciais ao homem, mas na forma negativa são sinais de alerta que, algo não vai bem na trajetória individual e coletiva da humanidade. É hora da análise, da busca do auto-conhecimento, da revisão da escala de valores para que, a sintonia do Macro e Microcosmo ocorra lembrando que não somos proprietários e sim, usuários do que a natureza oferta.

 

Translate this Page
Ultimas Atualizações
Reflexões Filosóficas  (17-03-2019)
Poesias  (08-03-2019)
Poemeto  (07-03-2019)
Poetrix  (06-03-2019)
Indriso  (05-03-2019)
Haikai  (03-03-2019)
Sonetos  (04-02-2019)
Fonemas e Grafias  (01-02-2019)
Tradicionalismo/RS  (31-12-2018)
Boas festas  (31-12-2018)
Votação
O que acha do Site?
Ruim
Regular
Bom
Muito Bom
Ótimo
Excelente
Ver Resultados

Rating: 2.3/5 (814 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página